Duchapéu- Dança de Salão: Vivendo a Dança de Salão

Vivendo a Dança de Salão



Etiqueta Na Dança de Salão!


Você sabe como se comportar de maneira adequada num salão de dança?



Vários pormenores devem ser observados num salão de dança. Vamos enumerar alguns para termos uma orientação adequada.

1- O Cavalheiro deve convidar a dama para dançar indo até ela, colocar-se a sua frente e fazer o convite de maneira direta, porém polida. Deve evitar gestos ou gírias. Se bebeu demais, não convide a dama para dançar, pois ela tem o direito de não aceitar o convite.


2- Durante a dança coloque sua mão direita no meio das costas da dama e nunca abaixo, como fazem os que não praticam dança de salão.


3- Mantenha uma postura elegante, evite passos extravagantes que possam ocasionar trombadas com outros casais.


4- Desloquem-se no sentido anti-horário do salão. Evite ficar muito tempo no mesmo lugar para não atrapalhar o giro dos outros casais pelo salão. Evite bater nos casais próximos, porém não descuide de dar a devida atenção a dama com quem você está dançando. É horrível dançar olhando para as outras pessoas e desprezar a pessoa com quem está dançando.


5- Evite conversar em voz alta durante a dança, gesticular ou conversar com outras pessoas.

6- Normalmente temos por regra nos salões de Dança de Salão que as damas ou até cavalheiros não devem recusar uma dança. A não ser por causas justas como: excesso de bebida, pouca higiene (muito suado) ou comportamento inadequado.


7- Temos ainda por convenção, entre os praticantes de Dança de Salão a permissão para que a dama tome a iniciativa e convide o cavalheiro para dançar. Este deverá ir prontamente, pois seria muito deselegante negar uma dança a dama.


ESPERO QUE ESTES PEQUENOS DETALHES, PORÉM DE GRANDE IMPORTÂNCIA, FAÇAM DE VOCÊ NÃO SÓ UM BOM DANÇARINO, PORÉM UMA PESSOA MAIS SOCIAL E ELEGANTE.
Prof e mestre em Samba
Prop. da Escola de Dança - Centro Gafieirando- Acácio de Souza





***************************************************






 
O que a Dança Ensina
(Martha Medeiros)
"Reclamar do tédio é fácil, difícil é levantar da cadeira para fazer alguma coisa que nunca se fez. Pois dia desses aceitei um desafio: fiz uma aula de dança de salão. Roxa de vergonha por ter de enfrentar um professor, um espelho enorme, outros alunos e meu total despreparo. Mas a graça da coisa é esta, reconhecer-se virgem. Com soberba não se aprende nada. Entrei na academia rígida feito um membro da guarda real e saí de lá praticamente uma mulata globeleza.



Na verdade o simples prazer de dançar bastaria para justificar a prática, mas vivemos num mundo onde todos se perguntam o tempo todo "para que serve?". Para que serve um beijo, para que serve um ler, para que serve um pôr-do-sol? É a síndrome da utilidade. Pois bem, dançar tem sim uma serventia. A dança nos ensina a ter confiança, se é que alguém ainda se lembra o que é isso. Hoje ninguém confia, é verbo em desuso. Você não confia em desconhecidos e também em muitos dos seus conhecidos. Não confia que irão lhe ajudar, não confia que irão chegar na hora marcada, não confia seus segredos, não confia seu dinheiro.

Então, de repente, o que alguém pede de você? Que diga sim. Que escute atentamente a música. Que apoie seus braços em outro corpo. Que se deixe conduzir. Que não tenha vergonha. Que libere seus movimentos. Que se entregue. Qualquer um pode dançar sozinho. Aliás, deve. Meia hora por dia, quando ninguém estiver olhando, ocupe a sala, aumente o som e esqueça os vizinhos.

Mas dançar com outra pessoa, formar um par, é um ritual que exige uma espécie diferente de sintonia. Olhos nos olhos, acerto de ritmo. Hora de confiar no que o parceiro está propondo, confiar que será possível acompanhá-lo, confiar que não se está sendo ridículo nem submisso, está-se apenas criando uma forma diferente e mágica de convivência.


Se os casais hoje, dedicassem um tempinho para dançar juntos, mesmo em casa - ou principalmente em casa - muitas discussões seriam poupadas. É uma espécie de conexão silenciosa, de pacto, um outro jeito de fazer amor." PENSE NISTO!!!


***************************************************

O QUE A DANÇA DE SALÃO FAZ POR VOCÊ!



Definições interessantes sobre a Dança de Salão postada por um amigo, aponta alguns dos grandes benefícios que a Dança de Salão traz para a pessoa que pratica, são dicas que principalmente os leigos devem ter conhecimento, sendo também uma dica a mais para, pelo menos, diminuir o preconceito que se tem pela dança e seus praticantes; vejam:




10 COISAS QUE DESCOBRIMOS COM A DANÇA DE SALÃO


1- Homens que dançam são raros, e as mulheres adoram homens que dançam.
2- Sair para a balada não é mais sinônimo de bebedeira e baderna.
3- É possível um casal ter contato físico sem ter segundas intenções.
4- Seu gosto musical fica mais variado e refinado.
5- Cada pessoa tem seu rítmo preferido, mas sempre tem um que é mais democrático, todo mundo adora.
6- Não há tratamento estético mais eficiente para a mulher como a Dança de Salão, A mulher que dança fica especialmente linda.
7- Seu círculo social aumenta exponencialmente.
8- Cada vez mais jovens se interessam pela dança de salão, já se foi aquele estigma de que era para pessoas da melhor idade. A dança é para todas as idades.
9- Os homens tornam-se mais cavalheiros.
10- Para os tímidos, é uma ótima forma de quebrar o gelo, raramente alguém recusa uma dança.
Fica a dica meus caros, aproveite e dance, entre para uma escola de dança, aprenda a dançar e descubra como é ser uma pessoa linda e feliz.



copiado por Du chapéu.
postado em facebook.



************************************************************

Professor de Dança, como voce está tratando seu aluno?

Olá meus caros e admirados Professores!
O que vou relatar aqui trata-se de uma questão que venho observando no dia a dia e que acho de extrema relevância que seja discutido e muito mais, seja analisado por todos os profissionais da dança no que se refere ao "Tratamento ao Aluno".


Este tópico trata-se de um assunto genérico onde, não citarei nomes e peço que não citam, caso venham a tecer comentários nessa discussão, até porque não é nosso objetivo denegrir ou envaidecer a imagem de alguém.


Em conversa com candidatos a alunos que nos visitam para aulas experimentais ou mesmo para conhecer nosso trabalho, muitos têm  comentado sobre a forma de  tratamento que presenciam em uma ou outra escola, e apesar de observar os dois lados, ainda assim acham que tem formas de tratamento que professores não podem dar a seus alunos.

Seria muito prático para nós criticar e desmerecer outros profissionais, mas a ética profissional e o caráter pessoal não nos permite esse modo de agir.


Tenho escutado de algumas pessoas que alguns professores tratam seus alunos com extrema grosseria, principalmente alunos iniciantes com dificuldades de aprendizado rápido, e há casos em que usam até de palavras de baixo nível, isso é extremamente indelicado e desrespeitoso com quem quer que seja. Devemos lembrar que nós profissionais da Dança também fomos alunos iniciantes e também entramos numa escola de dança um dia para sermos os profissionais que somos hoje.

Eu particularmente, sou um iniciante, um aprendiz e aspirante a professor, mas acho que ninguém sabe tudo e todos aprendem todos os dias, a cada aula, com cada aluno.

Não estou aqui discutindo técnicas de trabalho, até porque quem sou eu para julgar quem é bom ou ruim, mas posso, sim, dar minha opinião sobre o tratamento que devemos todos passar aos alunos e a qualquer ser humano, é uma questão de educação e boa índole.   

A lição que sempre aprendi é a de quê, um aluno tem motivos variados para procurar a dança, e muitas vezes, trata-se de casos clinicos como a Depressão, recuperação de traumas e até mesmo por melhor qualidade de vida, e eles esperam encontrar num profissional da dança, atenção, respeito e principalmente Auto-estima, são nesses pontos que devemos focar e procurar dar o máximo de prazer a eles.

Portanto, meus admirados professores, vamos rever nossos conceitos, procurar encontrar nossos erros e melhorar onde não está bom, acredito que todos erramos, somos todos seres humanos, e podemos buscar pelo melhor a cada dia, até porque nós lidamos também com seres humanos e eles ( alunos ) merecem todo nosso carinho e respeito.

Uma outra questão que sempre ouço pelos bailes da vida, ou em conversas informais, é a questão do Estrelismo, esse é um caso a ser tratado por cada um e buscar a humildade e simplicidade, que por mais olhares admirados que possamos perceber quando estamos exercendo nosso conhecimento, as pessoas são sensíveis e percebem logo quem é naturalmente talentoso e quem tem o EGO acima do limite da humildade.

Finalizando, fica aqui minha opinião de aprendiz e aluno para que um dia, recebamos mais elogios do que as críticas que todos estamos sujeitos, eu erro, eu fraquejo, eu piso no pé...mas tenho a humildade de assumir meus erros e principalmente pedir desculpas.

Um grande abraço e espero, muitos comentários sobre o assunto em pauta.



Por: Du Chapéu. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a sua participação